sexta-feira, 26 de julho de 2013

Arqueologia proibida: Os gigantes da Bíblia.


A Bíblia se refere a uma estranha raça de gigantes, surgida misteriosamente antes do dilúvio e estranhamente aparecendo depois do dilúvio, não podendo, é claro, ser descendência de Noé, o qual era "justo em suas gerações", ou, traduzindo melhor, "puro na sua semente". Se não faziam parte da geração de Noé, Sem, Cão e Jafé, de onde teriam surgido? A única versão que traduziu a frase "naqueles dias haviagigantes na terra", ou melhor, "naqueles dias os gigantes estavam na terra", foi a Tradução Brasileira, que, por não querer traduzir uma expressão difícil de traduzir, preferiu colocar assim: "Naqueles dias os NEFILINS estavam na terra."

O capítulo 6 de Gênesis fala sobre "filhos de Deus" que se juntaram com as filhas dos homens, gerando filhos nelas, porque as acharam formosas.
O significado mais aproximado do original é CAÍDOS. O que isto nos leva a entender? Que os NEFILINS eram anjos caídos que tomaram corpos físicos, humanos, e, ao terem relações sexuais com as mulheres terrestres, geram nelas seres estranhos, híbridos, todos do sexo masculino e gigantescos como Golias de Gate, seus irmãos gigantes, Seom, rei dos amorreus, Ogue, rei da Basã e os filhos de Anaque, ou Enaque.
Eles tomaram várias designações tais como, "EMINS", "ZANZUMINS", "ANAQUINS", "REFAINS", etc.

Todas estas expressões tem o significado de GRANDES, FORTES, PODEROSOS, GIGANTES. Quando os espias foram enviados para espiar a terra de Canaã, trouxeram um relatório pavoroso: "Vimos ali gigantes, filhos de Anaque". (Alguns tradutores acrescentaram, por conta própria, a expressão "descendentes").
Em Deuteronômio 2.10,11, lemos: "Os emeus dantes habitavam nela: um povo grande e numeroso, e alto como os gigantes; também estes foram contados por gigantes como os enaquins."

Não é estranho pensar em anjos tomando forma humana, uma vez que no episódio da visita do Senhor a Abraão, dois anjos o acompanharam e comeram coalhada e vitela.
Existem muitas narrativas secretas e misteriosas dando conta de seres não terrestres chamados de íncubos e súcubos, demônios vindo à terra para terem relações sexuais com seres humanos.
Nas lendas árabes existem referências aos "djins". Em outras culturas, como a greco-romana, a mesopotâmica, a etrusca, a assíria, etc., encontramos relatos sobre ogros, semideuses, gigantes e ciclopes, todos eles dominando as pessoas e voltados para a sensualidade.
Por que existe tal consenso? Porque a maior parte das fábulas e lendas derivam de alguma tremenda realidade primeva. Os cultores do chamado "realismo fantástico" entenderam que estas visitas não terrestres referem-se a ET's, habitantes de outros planetas,
visitando a terra em suas naves espaciais.
Por que os habitantes de Sodoma e Gomorra, ao verem os anjos de Deus, em forma humana, entrando na casa de Ló, ajuntaram-se diante da casa, querendo, a todo custo, manter relações sexuais com eles? Sem dúvida já estavam acostumados a tal prática com seres sobrenaturais
A epístola de Judas refere-se cristalinamente a este fato, relacionando-o com a prática espúria. Vamos ler o texto com ênfases:
"E AOS ANJOS que não guardaram o seu principado, mas deixaram A SUA PRÓPRIA HABITAÇÃO, reservou na escuridão, e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia; assim COMO SODOMA E GOMORRA, e as cidades circunvizinhas que, havendo-se corrompido, COMO AQUELES (Aqueles quem? Os anjos caídos, é claro!) e ido após OUTRA CARNE (Que outra carne? Uma carne não humana.), foram postas como exemplos, sofrendo a pena do fogo eterno." (Judas 6, 7.)

Na epístola de Pedro, a mesma alusão a anjos e a Sodoma e Gomorra dão conta de que tudo se combina, se coaduna e concorda:
"Porque Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo; e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à subversão as cidades do Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente."
Ao lermos Deuteronômio 3.11 e transformando o côvado em centímetros, concluímos que a cama de Ogue tinha quatro metros e meio de comprimento, por dois metros de largura!
Os refains passaram a dominar uma região fértil que ficou conhecida como "O Vale dos Refains", conforme II Samuel 5.18.
Vamos ler um relato que fala claramente sobre os gigantes. Ele se encontra em I Crônicas 20.4-8. Neste relato vamos substituir a expressão Rafa, que foi colocada como um nome próprio pelos tradutores, mas não tem nada a ver com uma pessoa humana normal e que foi colocada na RC, como nota de pé de página as expressões "do gigante", "o gigante" e "ao gigante". Vamos pois substituir a expressão Rafa por sua tradução normal, que seria

ANJO CAÍDO:
"E depois disto aco
nteceu que, levantando-se guerra em Gazer com os filisteus, então Sibecai, o husatita feriu a Sipai dos filhos do ANJO CAÍDO; e ficaram abatidos.E tornou a haver guerra com os filisteus: e Elanã, filho de Jair, feriu a Lami, irmão de Golias, o geteu, cuja haste da lança era como órgão de tecelão. E tornou a haver guerra em Gate; e havia ali um homem de grande estatura e tinha vinte e quatro dedos, seis em cada mão, e seis em cada pé, e também era da raça do ANJO CAÍDO. E injuriou a Israel: porém Jônatas, filho de Siméia, irmão de Davi, o feriu. Estes nasceram do ANJO CAÍDO em Gate: e caíram pela mão de Davi e pela mão dos seus servos".
Os gigantes não ressuscitarão. Por não fazerem parte da criação original de Deus, esses gigantes não ressuscitarão! Alguns textos bíblicos ficam muito esquisitos na tradução, porque os tradutores têm medo de traduzirem ao pé da letra algumas expressões.
Assim sendo, mudam, modificam, acrescentam, retiram, interpretam, inventam, deturpam e violentam.
É o caso de Isaias 26.14 na tradução Revista e Atualizada da Bíblia:
"Mortos não tornarão a viver, sombras não ressuscitam; por isso os castigaste, e destruíste, e lhes fizeste perecer toda memória."
Que tradução mais absurda! É claro, óbvio, ululantemente lógico, que sombras não ressuscitam, porque sombras nem morrem!
Senhores tradutores, por que não deixam que os leitores da Bíblia vejam a verdade, mesmo que esta verdade seja algo extraordinário, estranho, diferente e fora dos padrões determinados pelas organizações religiosas?
A tradução ao pé da letra é: "Ao morrerem os refains, não tornarão a viver, não ressuscitarão".
A expressão "sombras", no original é "refains", ou seja a designação com que os gigantes ficaram, de maneira generalizada, sendo conhecidos.
Veja o contraste com o versículo 19 ("Os vossos mortos e também o meu cadáver VIVERÃO e RESSUSCITARÃO").
Em Lamentações 3.6, lemos:
"Fez-me habitar em lugares tenebrosos, como os que estão MORTOS PARA SEMPRE."
Em tudo isto observamos que a Bíblia não é um livro para ser lido de qualquer maneira, mas é para ser lido com muito cuidado e reverência, observando tudo o que Deus transmitiu para nós, não usando uma falsa humildade para dizer que não quer conhecer as coisas mais profundas de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Evangelista

Minha foto


Paulo Henrique 

46 anos

Casado com Ailda Couto

Pai de três filhos: Paulo Couto / Lucas Henrique Couto / Ana Paula Couto

Evangelista, filiado á CGADB

Natural de Ilhéus- Bahia